Os melhores de 2018 segundo o Lombada

Este ano o Lombada bateu todos os recordes de leitura – ueba!

Desde a retomada do blog, Carlos e eu estabelecemos como meta ler pelo menos um livro por semana cada um, ou 52 no total ao longo do ano. Não que exista um apego à quantidade em si, mas ao ritmo necessário de dar conta de uma biblioteca que só aumenta a cada ano, com duas criaturas que não podem passar perto de uma livraria sem deixar estragos financeiros.

Além disso, como sempre reforçamos, o blog adere ao movimento #leiamulheres e busca ao menos equilibrar o número de leituras entre escritores e escritoras, já que, por inércia, são os livros de homens brancos que têm mais espaço nas prateleiras de livrarias e nos espaços de divulgação. O registro que fazemos pelo Goodreads nos ajuda a terminar o ano com um perfil das nossas leituras, que colocamos aqui como mera curiosidade para nossos leitores.

Este ano, lemos mais de 70 livros cada um, somando 149 leituras no total – e digo leituras porque lemos o mesmo livro em várias ocasiões, então há repetições de títulos e autores (mas somos de humanas e não vamos entrar em especificidades estatísticas). Foram 77 escritores e 72 escritoras – diferença que se deve a mim, já que Carlos cravou o mesmo número de leituras de homens e mulheres.

No quesito diversidade, chamou muito a atenção da pouca quantidade de autores negros que lemos este ano – só 18, ante a 131 brancos. Sinal de alerta: se tentamos ser atentos à questão racial no mundo, a gente deveria também, por coerência, buscar as vozes negras que se expressam na literatura.

Quanto ao gênero do que lemos, vocês vão ver uma grande discrepância: enquanto Carlos seguiu forte nos romances e contos, eu diversifiquei um pouco mais minhas leituras. Poesia nunca foi meu forte, mas tem ocupado cada vez mais meu tempo; por outro lado, voltei aos quadrinhos, que adoro, mas tinha deixado de lado nos últimos anos.

Balanço lombada

Desses quase 150 livros, selecionamos sete como os melhores do ano segundo o Lombada. E claro que toda lista é arbitrária, mas pra vocês entenderem de onde essa veio, vale tentar explicar nosso caótico método:

– Não importa quando o livro foi publicado, nosso primeiro e mais importante critério é que o título tenha sido lido ao longo do ano.
– Cada um de nós faz uma lista com pouco mais de dez livros. O número não é exato, por motivos de: às vezes é difícil desapegar.
– Os livros que coincidem nas duas listas são considerados os melhores do Lombada. Os outros contam nas listas adicionais de cada autor do blog.
– A ordem aí embaixo é aleatória, e não um ranqueamento.

Posto isso, eis os melhores livros do ano segundo o Lombada Quadrada:

IMG_20181228_091057557

1. Caderno de memórias coloniais, Isabela Figueiredo (Todavia)

2. O enterro do lobo branco, Márcia Barbieri (Patuá)

3. Garotas Mortas, Selva Almada (Todavia)

4. Léxico familiar, Natália Ginzburg (Companhia das Letras)

5. O peso do pássaro morto, Aline Bei (Nós)

6. Dora sem véu, Ronaldo Correia de Brito (Alfaguara)

7. Zoobreviver, Eugênio Ramos Gianetti (Patuá)

Este slideshow necessita de JavaScript.

As outras escolhas de Renata:
– Adua, Igiaba Scego (Nós)
– Angola Janga, Marcelo D’Salete (Veneta)
– Oito do Sete, Cristina Judar (Reformatório)
A um passo, Elvira Vigna (Companhia das Letras)
– Bigornas, Yasmin Nigri (34)

As outras escolhas de Carlos:
Los Vigilantes, Diamela Eltit (Seix Barral)
– Inyanzi ou les cafards, Scholastique Mukasonga (edição em francês da Folio – no Brasil, o romance foi publicado pela Nós com o título Baratas)
Romance Luminoso, Mario Levrero
O pai da menina morta, Tiago Ferro
– Anna Kariênina, Liev Tolstói (Companhia das Letras)
– Minha casa é onde estou, Igiaba Scego (Nós)

Para ver tudo o que lemos este ano, chequem nossos Goodreads: Renata | Carlos

Foi o ano das pequenas editoras pra gente, e novamente o ano das mulheres. Nosso respeito aos editores que continuam batalhando nesse mercado adverso, ralando nos eventos e se virando em um milhão de funções diferentes pra fazer esses livros maravilhosos chegarem em nossas mãos. Um abraço especial a Juliana Gomes (#LeiaMulheres), Marcelo Nocelli (Reformatório), Simone Paulino (Nós), Wellington de Melo (Mariposa Cartonera) e Eduardo Lacerda (Patuá), que a gente vive encontrando em eventos literários: ❤

E um obrigado mais especial ainda aos mais de 23 mil internautas que nos visitaram este ano pelas quase 63 mil leituras. É incrível, considerando que o Lombada é só um hobby de um casal de doidos. ❤ ❤ ❤

Nos vemos em 2019!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s