Orgia

De Tulio Carella

254761_241511692537164_4245809_n Antes do relançamento pela editora Opera Prima este ano, “Orgia” havia tido apenas uma edição, nos anos 1960. Esgotada, rara e famosa no meio teatral – tão famosa, aliás, que meu exemplar foi parar por alguns minutos nas mãos de Fernanda Montenegro em um hotel de Brasília (ela viu o livro de longe, nas mãos de Carlos, e se aproximou pedindo pra olhar). Enfim. “Orgia” é o diário do dramaturgo argentino escrito ao longo dos meses em que morou no Recife, convidado para uma cadeira de professor na Universidade Federal de Pernambuco. Sozinho, estranhando o calor e extremamente carente, ele se lança nas ruas da cidade atrás de companhia. E o que encontra são outros homens, fascinados por seu sotaque estrangeiro, por sua pele branca e pela promessa implícita de dinheiro ou presentes. Texto erótico, explícito e desconcertante – mas não por causa das duas primeiras qualidades. Aqui e ali, Carella reflete sobre a solidão, se pega também fascinado pelo “outro”. Às vezes se pergunta: “afinal, o que é um negro?”. Puta livro, viu?

(Publicado originalmente no Facebook em 27 de julho de 2011)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s