Sem lei nem rei

De Maximiano Campos

392446_372985132723152_2035434790_nO primeiro romance do suposto pai de Dudu, governador de Pernambuco, foi festejado pela academia no fim dos anos 60 como uma forma nova de escrever sobre o Sertão, menos sociológica e regionalista e mais baseada no romanceiro popular. Isso é o que explicam o prefácio de Raimundo Carrero e o posfácio de Ariano Suassuna, ambos muito bons, sobre esse período da literatura pernambucana. De fato, o livro não é rude no tratar dos amores do cangaço e dos conflitos entre coronéis. Mas olhado cá da década de 10, não chamou muito a atenção. Gostosinho de ler, mas pouco marcante.

(Publicado originalmente no Facebook em 23 de março de 2012)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s