A pele que habito

Em abril de 2013, um jovem de 17 anos foi encontrado inconsciente e bastante machucado no pátio de uma casa vizinha a um condomínio de luxo em Porto Alegre. Eduardo Fösch dos Santos tinha ido a uma festa com amigos, mas terminou a noite em coma em virtude de um traumatismo cranioencefálico; ficou assim por nove dias até morrer no hospital. Numa festa de brancos, num condomínio de brancos localizado em uma cidade de brancos, a pele negra de Fösch o tinha colocado, ao que parece, no lugar errado. O caso foi tratado como morte acidental (Eduardo teria caído sozinho no pátio). Poderia ter terminado assim não fosse a persistência da família contra a omissão do sistema de justiça, provocando a reabertura da investigação.

Esta é o mote de Entre lembrar e esquecer, romance que colocou Mauro Paz (editora Patuá) no rol de finalistas do Prêmio São Paulo de Literatura. A partir desta história real, ele cria sua ficção como um exercício para entender os fatores sociais que levaram não só ao crime, mas à conivência institucional que buscava a impunidade como desfecho. Mais do que isso, constrói um frágil jogo psicológico tendo a memória como base, como alude o título do livro. Esta é a grande sacada de Mauro Paz: sua matéria é o efeito do racismo sobre o mundo interior de um indivíduo para quem sobreviver com sanidade significa, muitas vezes, enterrar parte de suas lembranças.

IMG_20181020_202430109

Cesar, o personagem narrador, é o tio de Cadu – o jovem ficcional que representa Fösch no romance. A partir do momento em que é comunicado da morte do rapaz e de suas circunstâncias estranhas, César começa a pensar em sua própria trajetória como negro numa cidade majoritariamente branca, cuja população costuma se orgulhar de suas origens europeias e de seus sobrenomes estrangeiros. Quando Cadu nasceu prematuro, César lembra de ter pensado: “pois mais forte que se tornasse, nada apagaria o fato de que nasceu negro”.

César é jornalista em São Paulo e seu irmão Douglas, pai de Cadu, engenheiro em Porto Alegre. Para todos os efeitos, ambos pertencem à classe média dos profissionais liberais esclarecidos. Chegaram até ali a partir do esforço do pai taxista, que pouco falava, numa invisibilidade e conformismo autoimpostos que funcionavam como escudos para a família. César e Douglas estudaram em uma boa escola como bolsistas, mas pagaram outro preço por este acesso: ser os únicos negros em todo o corpo discente os transformou nos alvos prediletos de bullying e rotulações fáceis, que seguem por toda a vida.

“Não importa quanto dinheiro você tenha. Não importa se seu pai é um engenheiro de vida remediada, como Douglas, um lixeiro ou um jogador de futebol milionário. Ao nascer negro, você cedo ou tarde será tocado pelo racismo. Até porque, para a maioria das pessoas, é inconcebível ser negro e bem-sucedido. Ou mais simples, é inconcebível ser negro e não morar em uma favela ou ter, no mínimo, um primo distante envolvido com assalto a banco ou tráfico de drogas”.

Os episódios do preconceito cotidiano e o racismo institucional que envolve a investigação pelo assassinato de Cadu são fruto da mesma fissura social ainda não resolvida no Brasil (talvez em nenhum lugar do mundo), como vai percebendo o personagem. Embora consciente do problema, isso não o torna menos real ou dolorido. Em um determinado trecho, recordando o período da escola, César lava o rosto e se olha no espelho, notando seus cabelos encaracolados, lábios largos e pele negra. O racismo é sobretudo relacional, ele se define pelo olhar do outro. Nesse sentido, uma sociedade preconceituosa é o maior e o mais cruel espelho que pode existir, um espelho que provoca não apenas barreiras e violências cotidianas, mas também capaz de ser o gatilho de profundo sofrimento interior.

De escrita quase jornalística, Mauro Paz tem texto direto e enxuto, que emula a profissão do personagem. Entre as digressões de sua infância e juventude, César não deixa de também analisar o contexto histórico e social que resultaram no racismo e na morte do seu sobrinho, como quando remete à colonização e ao escravagismo a origem da violência, tida como um dos grandes problemas atuais do Brasil: “(…) a mão branca, que sempre bateu, tem medo de perder o relógio. Dividir o poder incomoda. Principalmente dividir o poder da violência, da força bruta, do braço que cala a boca. (…) O problema são mais de quinhentos anos de história a ruir sobre nossas cabeças”.

O caso de Eduardo Fösch segue não resolvido até hoje. Entre lembrar e esquecer é também uma forma de impedir que o jovem seja esquecido, numa literatura que é manifesto e é também tributo. Assim como toda a obra da ruandesa Scholastique Mukasonga e pelo menos Garotas mortas, de Selva Almada, a obra de Mauro Paz é como uma rosa deixada sobre o túmulo de alguém que, de outra forma, teria sido condenado ao esquecimento social deliberado.

PS: a imagem em destaque é um detalhe da obra Amnésia, de Flávio Cerqueira, exposta na excelente exposição Histórias afro-atlânticas, em cartaz até 21/10/18 no MASP. Parte da mostra também está no Instituto Tomie Ohtake.

Gostou? A premiada Patuá faz tiragens pequenas e opta por não vender seus livros em grandes lojas. Você pode encontrar todos os títulos no site da editora ou no Bar Patuscada, na Vila Madalena, em São Paulo.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s