A atualidade de Alcântara Machado

“No Grupo Escolar da Barra Funda Aristodemo Guggiani aprendeu em três anos a roubar com perfeição no jogo de bolinhas (garantindo o tostão para o sorvete) e ficou sabendo na ponta da língua que o Brasil foi descoberto sem querer e é o país maior, mais belo e mais rico do mundo”. 

Poucas vezes vi tantas entrelinhas em tão poucas linhas. A frase inicial da crônica Tiro de Guerra Nº 35 é uma bela síntese do estilo que António de Alcântara Machado construiu em sua curta carreira de cronista na imprensa paulistana. Escrita concisa, quase telegráfica, vai no estritamente necessário e deixar para o leitor o preenchimento das lacunas, sejam narrativas, temporais ou de sentido. Não que esse leitor esteja totalmente livre: o autor sabe muito bem indicar o caminho que lhe convém, ao mesmo tempo em que esbanja graça e bom humor.

Alcântara Machado está longe de ser uma novidade: seus textos foram originalmente publicados na década de 1920 e até meados da década de 1930, quando morreu precocemente. Mas a atualidade do estilo e a leveza da experiência de leitura fazem dele um autor atemporal. Para quem mora em São Paulo, conhecê-lo é praticamente obrigação, já que a cidade era o seu grande cenário e o povo comum, especialmente imigrantes italianos, o seu material humano mais frequente. Seu trabalho está novamente acessível em livro com a publicação de Melhores Contos em uma edição de bolso da Global Editora, reunindo os textos do clássico Brás, Bixiga e Barra Funda, do menos conhecido Laranja da China, além de alguns textos avulsos.

IMG_20170228_155725529Na frase que destaquei acima, econômica em palavras, somos apresentados simultaneamente ao caráter do personagem principal e à precariedade da escola brasileira – uma escola que ensina por decoreba um punhado de conceitos ufanistas completamente desconectados da realidade. Mais a frente, descobrimos que toda a cantilena nacionalista resultou em um Aristodemo soldado e patriota, capaz de enfrentar a tapas quem faz brincadeira com o Hino Nacional, embora ele mesmo embaralhe a letra, que sequer entende. Neste conto, o alvo é o Exército, mas Alcântara Machado expõe também a elite paulista quatrocentona, os imigrantes de fortuna recente, a classe política e as instituições de forma geral – “Filho de rico manda nessa terra que nem a Light”, dispara, em outra frase cheia de sentidos.

O texto evolui aos pulinhos, entre lacunas e não-ditos muito mais eficientes do que qualquer verborragia. O conto O monstro de rodas, por exemplo, está ambientado em um enterro. Lemos sobre a mulher desesperada que chora agarrada ao caixão, mas o conto termina sem que se saiba ao certo quem nem de que morreu – o importante são os tipos humanos que circulam pela cerimônia. Aliás, também está ambientado em um enterro o conto Gaetaninho, sobre um menino cujo sonho de andar de carro é realizado de forma trágica. Este texto, sozinho, é frequentemente saudado como uma obra prima.

Em muitos dos contos, o tema central é a tensão social entre ricos e pobres, numa comunidade em que a elite quatrocentona decadente, de origem portuguesa, começa a trocar de status financeiro com os imigrantes italianos ascendendo por meio da indústria e do comércio. Em Nacionalidade, junta-se ao tema a lenta aquisição do Brasil como pátria: um velho imigrante italiano, que sempre recusou a nacionalização, aos poucos muda de ideia ao perceber que encontrou a o potencial de mobilidade social para os seus filhos deste lado do Atlântico.

Lisetta antecipa o tema que Clarice Lispector abordaria de forma autobiográfica em Felicidade Clandestina: o embate entre uma menina pobre e outra rica em torno de um desejo comum, que só a pobre valoriza de fato – o livro As reinações de Narizinho, no caso de Clarice; e um ursinho de pelúcia avistado durante uma viagem de bonde, no texto de Alcântara Machado. Aqui, ele constrói mais claramente uma crítica à ostentação que aparece em pinceladas ao longo de quase todo o livro.

O salseiro que é a política brasileira, no entanto, é o tema mais frequente e talvez mais atual do escritor paulistano. As cinco panelas de ouro, que fecha Melhores contos, é o texto mais longo e em que essa crítica fica mais evidente. De uma abertura focada na vida doméstica de uma família ordinária numa cidade do interior, o conto evolui para narrar uma tentativa de adesão à Revolução de 1930 expõe a frouxidão das crenças políticas da sociedade local. A ideologia que muda ao sabor dos ventos, claro, termina numa briga por interesses particulares e absolutamente mesquinhos – um resumo do Brasil de todos os tempos.

A edição da Global traz uma boa introdução sobre a obra de António de Alcântara Machado e a contextualiza à luz do Modernismo. O texto de Marcos Antonio de Moraes também discorre sobre o seu estilo, econômico inclusive na pontuação, e coalhado de referências ao cotidiano lido nos jornais.

Alcântara Machado morreu com apenas 34 anos. Fico pensando quantas mais páginas deliciosas perdemos com isso.

PS: a foto em destaque é da obra Fase Azul (Numbers), de  Jac Leirner, fotografada no Instituto Inhotim.

Gostou? Comprando o livro pela Amazon, com o link a seguir, você ajuda a manter o Lombada Quadrada: Melhores Contos, de António de Alcântara Machado.

 

Um comentário sobre “A atualidade de Alcântara Machado

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s