Nunca conseguimos sair da Patuscada, o bar da editora Patuá, com apenas um livro na mão. Fomos algumas vezes para lançamento de amigos, ou para comprar algo específico, mas sempre voltamos com pelo menos o dobro de livros da intenção original – culpa de Eduardo Lacerda, editor e barman. Seja na fila de autógrafos ou na boca do caixa, ele sempre dá um jeito de indicar outros títulos ao mesmo tempo em que fecha uma conta e abre mais uma cerveja. Foi assim que Por cima do mar veio parar nas nossas estantes, o primeiro romance de Deborah Dornellas, que acaba de receber o Prêmio Casa de las Americas de Cuba – e forte possibilidade de se tornar finalista de outras premiações este ano.

Por cima do mar é essencialmente uma narrativa afro-atlântica, que bebe em elementos da história, memória e geopolítica do último meio milênio para relembrar como a periferia brasileira e as dinâmicas sociais do Brasil são resultado direto da diáspora africana no período colonial. Primeira pessoa de sua família a ir à faculdade, a narradora Lígia Vitalina, no entanto, constrói esse entendimento no dia a dia de invisibilidades, pequenas e grandes violências.

IMG_20181230_104823046Lígia Vitalina, ou Vita, mora na periferia de Brasília, filha de um dos operários que ajudou a construir a cidade e que, como milhares de outros, se viu sem-lugar assim que as obras acabaram. Instalados inicialmente na ocupação Vila IAPI, em determinado momento a família é removida junto com os seus vizinhos para mais longe ainda, no âmbito da chamada Campanha de Erradicação de Invasões – “invasões” era como em Brasília se nomeavam as favelas; da tal campanha, de sigla CEI, surgiu o assentamento posteriormente chamado de Ceilândia, no fim dos anos 1960.

É uma Lígia já adolescente que sente na pele os efeitos desse apartheid institucionalizado, embora nunca admitido: em 1986, a personagem testemunha a batida policial a um clube popular iniciada com a famigerada ordem “branco sai, preto fica”. Lígia ficou; sua amiga Docas, um pouco mais clara (quase branca ou quase preta?), foi colocada pra fora.

Deborah entrega o livro para Lígia, que aparece como a escritora daquela espécie de diário presente e retrospectivo. E Lígia sabe exatamente que sua presença naquele “branco sai, preto fica” é resultado direto da viagem forçada feita por sua trisavó num navio tumbeiro, sequestrada em Angola ainda criança para ser escrava no Brasil. A Lígia adulta, já acadêmica, apaixona-se por um angolano e faz a viagem de retorno em condições completamente diferentes, mas nem por isso destituídas de carga. Encontrará do outro lado do Atlântico não apenas o amor, mas um país também destruído por um processo de colonização baseado essencialmente no racismo.

A escrita, feita mais de fragmentos do que de narrativas, é a de alguém que sabe exatamente o peso que carrega. Em um dos capítulos mais impressionantes do livro, Lígia fala sobre a invisibilidade, e de como esse artifício é às vezes também estratégia de sobrevivência:

“Meu corpo fluido se acomoda dentro de roupas invisíveis e nelas me locomovo. Levanto da cama devagar e em silêncio, porque o invisível tem de ser também silencioso (…). Olho minha imagem no espelho. Só a cabeça e uma parte do colo aparecem na moldura. Sete buracos, olhos escuros, sobrancelhas arqueadas, cílios muito pretos e compridos, lábios grossos, cor de ameixa, ,pele escura, um tom entre o marrom-camaleão e o café torrado. Será que sou invisível mesmo me parecendo com um animal assustado de desenho animado? Mesmo que minhas orelhas sustentem brincos visíveis, que balançam quando movo o pescoço? (…) objetos concretos que eu convocava para me ajudarem a domesticar a minha visibilidade.”

Por cima do mar vai na linha das obras contemporâneas que vêm atacando os mitos da democracia racial e da meritocracia, esses irmãos siameses, ao expor como os processos históricos iniciados há séculos influem diretamente sobre as vidas das pessoas de hoje. Tudo isso numa edição maravilhosa da Patuá – a melhor -, ilustrada com desenhos da própria autora e projeto gráfico de Beatriz Agnelli. Um presentão da editora para os seus leitores. ❤

Se interessou? O livro está a venda na internet direto com a editora Patuá ou no bar Patuscada, na Vila Madalena.

Um comentário sobre “Por cima do mar

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s