Água funda, o clássico fantástico de Ruth Guimarães

O fantástico e o terror têm seu espaço na produção literária brasileira. E de longa data. As histórias de assombro produziram alguns clássicos, que deixaram suas marcas. É só lembrar de Incidente em Antares, de Érico Veríssimo, e de parte considerável da obra de Guimarães Rosa. Ou os causos de Grande Sertão não flertam com o gênero? Temos os contos de J.J.Veiga, já resenhados aqui e as narrativas curtas e misteriosas de Murilo Rubião, também comentadas no blog.

Se é pra falar de clássicos, vamos ao incrível Assombrações do Recife Velho, de ninguém menos que Gilberto Freyre. E se falei do Recife, vamos aos contemporâneos de lá. Na cidade mais fantástica e dada a lendas e assombrações neste país, floresce nos últimos anos um vigoroso movimento de literatura fantástica. Tem o coletivo O Recife Assombrado, uma galera que faz coisas de arrepiar. E que recentemente teve presença marcante na Bienal do Livro de Pernambuco. Aqui no Lombada você encontra as resenhas dos livros de João Paulo Parísio, André Balaio e Frederico Toscano, com uma produção que mantém vivo o espírito de O Recife Assombrado, botando terror, literalmente, no mercado. Ah, mas não são best sellers. Diga aí, quantos best sellers se tornam referências e sobrevivem à onda? Por isso, dá pra afirmar que existe, sim, uma literatura fantástica consistente no Brasil. E que tem seu público e influencia novos escritores .

Água fundaMas esta resenha é para falar daquele que talvez seja o primeiro grande clássico do gênero no Brasil. Um livro que sobrevive ao tempo como se tivesse sido escrito anteontem. A obra em questão é Água funda, de Ruth Guimarães. Lançado em 1946, meses antes de Sagarana,  o romance teve ampla repercussão, foi sucesso de público e de crítica, com direito a prefácio de Antonio Candido, e projetou no cenário literário a jovem escritora paulista, nascida na pequena Cachoeira Paulista, no Vale do Paraíba, região em quem se encontram os estados de São Paulo, Minas Gerais e Rio de Janeiro.

Foi nesse ambiente rural que ela situou uma história recheada de mistérios, escrito em um léxico muito particular, com o sotaque do matuto caipira, transbordando a lendas, causos e a uma oralidade cadenciada, lenta por vezes, ligeira quando a situação pede, inserindo o leitor em rodas de conversa em torno da fogueira, transpondo em palavras os sons da natureza, dos animais domésticos, da boiada, do tropel de cavalos, a passarinhada do fim da tarde, o murmurar das águas do rio, o farfalhar das folhas de árvores, o vento, a chuva, a vida rural, enfim. Na leitura, lembrei muito do verso “não se espante assim seu moço, com a noite do meu sertão”, da canção que Tavinho Moura e Milton Nascimento fizeram para o filme Noites do sertão, baseado em conto também ele fantástico de Guimarães Rosa e que você pode ouvir nesta playlist de música e literatura no Spotify.

Água funda é ambientada na fazenda Olhos D´Água, em um lugar perdido entre o sul de Minas e a porção paulista do Vale do Paraíba. A narrativa tem duas camadas temporais, carregadas de dramas. Começamos por conhecer os primevos moradores da propriedade, ainda no século XIX, em pleno período escravocrata e, de repente, a história dá um salto no tempo, chegando ao começo do século XX. Entre Sinhá, a senhora dos primórdios, e Joca e a bela Curiango, personagens da segunda parte, o elo entre as histórias está na loucura que os acomete. Visões, superstições, casamentos desejados e amaldiçoados, o desatino, o abandono da casa, a vida na pequena cidade, os falatórios, a desonra e a desgraça marcam as vidas dessas criaturas atormentadas.

Em meio a uma sucessão de dramas, a vida rural se manifesta pelas palavras oriundas da tradição indígena, nas expressões dos matutos, na forma bruta dos conflitos, na jogatina no bar, na bebedeira, nass festas religiosas, pontuando a transição entre o mundo das aparências e os subterrâneos de quem vive isolado das notícias do mundo “lá de fora”.

Se na primeira parte a vida é pautada pela exploração da mão-de-obra escravizada, cujo status está ameaçado pela iminente mudança de modelo econômico e político, na segunda história, a ruptura se dá pelo choque com a modernidade e a chegada dos gringos que vão mudar o processo de produção do açúcar e do álcool na usina da fazenda, diversificar a produção, construir estradas. Nesse momento a escravidão institucional não existe mais, mas o modelo de relacionamento com a força de trabalho continua baseado em formas de exploração e sujeição à dependência econômica que a legislação de hoje chamaria de “trabalho em situação análoga à escravidão”.

Toda essa dose de realidade econômica, social e política é contada em um registro fantástico, com um lirismo e um ritmo narrativo que antecipa muito do que se produziu na literatura mágica latino-americana. Ruth Guimarães estreou na literatura com 26 anos, já produzindo um clássico. Mulher, negra, pobre, migrou para a capital paulista com filhos pequenos, a quem criou enquanto trabalhada, estudava e lançava novas obras. Contos, ensaios sobre tradições indígenas e caipiras. Teve uma carreira no serviço público e ocupou a cadeira 22 da Academia Paulista de Letras até 2014, ano de sua morte. É uma obra a ser visitada e propagada. Água funda é um clássico.

Li a edição mais recente, da Editora 34. Caprichada,  traz o prefácio de Antonio Candido e, no final, trechos de críticas publicadas quando do lançamento e uma saborosa entrevista com a autora.

 

7 comentários sobre “Água funda, o clássico fantástico de Ruth Guimarães

    1. Que massa! Obrigado pela visita e pelo comentário. O livro é incrível. Sugiro conhecer “Torto arado ” de Itamar Vieira Júnior. Romance contemporâneo que tem muito do universo de “Água funda”.

      Curtir

  1. Que maravilha de texto, Lombada!

    Finalizei a pouco a leitura de Água funda: que livro precioso, grandioso e encantador! E essa edição da 34, hein?! Uma lindeza!

    Curtido por 1 pessoa

    1. Oi, Nina. Obrigado pelo comentário. Água funda está entre meus livros preferidos. É uma leitura encantatória mesmo, ótima sua definição. E a 34 fez uma edição à altura da qualidade e da importância da obra. Saber que Ruth Guimarães e Guimarães Rosa lançaram no mesmo ano dois livros tão fundamentais de nossa literatura também foi uma grande descoberta dessa leitura.

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s